Testo


Namo Kuan Shih Yin Pu Sa
Fatima dos Anjos - Portal Arco Íris


Bem Vindos

Bem Vindos ao Portal Arco Íris - Kuan Yin

quinta-feira, 13 de abril de 2017

5 Práticas para cultivar a Felicidade

Resultado de imagem para buda gifs cantinho de imagem da guerreira


5 Práticas para cultivar a Felicidade

O grande Professor Budista Thich Nhat Hanh sofreu um acidente vascular cerebral grave em novembro de 2014. Nós nos juntamos a praticantes em todo o mundo ao enviar nossas orações e bons desejos para sua recuperação contínua. A vida de Thich Nhat Hanh é inspiradora, o seu grande benefício e seu ensino, como o próprio dharma, profundo e prático.

Todos nós queremos ser felizes e há muitos livros e professores no mundo que tentam ajudar as pessoas a serem mais felizes. No entanto, todos nós continuamos a sofrer. Portanto, podemos pensar que estamos “fazendo algo errado”. De alguma forma estamos “falhando na felicidade”. Isso não é verdade. Ser capaz de desfrutar da felicidade não exige que tenhamos zero sofrimento. 

Na verdade, a arte da felicidade é também a arte de sofrer bem. Quando aprendemos a reconhecer, abraçar e compreender o nosso sofrimento, sofremos muito menos. Não só isso, mas também podemos ir mais longe e transformar o nosso sofrimento em compreensão, compaixão e alegria para nós mesmos e para os outros.

Uma das coisas mais difíceis para aceitar é que não há reino onde há apenas felicidade e não há sofrimento. Isso não significa que devamos desesperar. O sofrimento pode ser transformado. Assim que abrimos a boca para dizer “sofrimento”, sabemos que o oposto do sofrimento já está lá também. Onde há sofrimento, há felicidade.

De acordo com a história da criação no livro bíblico do Genesis, Deus disse: “Que haja luz”. Eu gosto de imaginar que a luz respondeu, dizendo: “Deus, eu tenho que esperar que o meu irmão gêmeo, a escuridão, esteja comigo . Eu não posso estar lá sem a escuridão. “Deus perguntou:” Por que precisa esperar? A escuridão está lá. “Luz respondeu,” Nesse caso, então eu também já estou lá. ”

“Uma das coisas mais difíceis para aceitar é que não há reino onde há apenas felicidade e não há sofrimento. Isso não significa que devamos desesperar. O sofrimento pode ser transformado.”

Se nos concentramos exclusivamente na busca da felicidade, podemos considerar o sofrimento como algo a ser ignorado ou resistido. Pensamos nisso como algo que entra no caminho da felicidade. Mas a arte da felicidade é também a arte de saber sofrer bem. Se sabemos usar o nosso sofrimento, podemos transformá-lo e sofrer muito menos. Saber como sofrer bem é essencial para a realização da verdadeira felicidade.

Medicina de cura

A principal aflição da nossa civilização moderna é que não sabemos como lidar com o sofrimento dentro de nós e tentamos encobri-lo com todos os tipos de consumo. As lojas vendem uma infinidade de dispositivos para nos ajudar a encobrir o sofrimento interior. Mas a menos que e até que possamos enfrentar o nosso sofrimento, não podemos estar presentes e disponíveis para a vida, e a felicidade continuará a nos iludir.

Há muitas pessoas que têm um sofrimento enorme, e não sabem como lidar com isso. Para muitas pessoas, ela começa numa idade muito jovem. Então porque é que as escolas não ensinam aos nossos jovens, a maneira de gerir o sofrimento? Se um estudante é muito infeliz, ele não pode concentrar-se e ele não pode aprender. O sofrimento de cada um de nós afeta os outros. Quanto mais aprendemos sobre a arte de sofrer bem, menos sofrimento haverá no mundo.

Mindfulness é a melhor maneira de estar com o nosso sofrimento sem ser oprimido por ele. Mindfulness é a capacidade de habitar no momento presente, para saber o que está acontecendo no aqui e agora. Por exemplo, quando estamos levantando os nossos dois braços, estamos conscientes do facto de que estamos levantando os nossos braços. A nossa mente está com o nosso levantamento dos braços, e não pensamos no passado ou no futuro, porque levantar os nossos braços é o que está acontecendo no momento presente.

Ser consciente significa estar ciente. É a energia que sabe o que está acontecendo no momento presente. Levantar os nossos braços e saber que estamos levantando os nossos braços – que é a atenção plena, atenção da nossa acção. Quando respiramos e sabemos que estamos respirando, isso é atenção plena. Quando damos um passo e sabemos que os passos estão ocorrendo, estamos atentos aos passos. Mindfulness é sempre mindfulness de algo. É a energia que nos ajuda a estar conscientes do que está acontecendo agora e aqui mesmo – em nosso corpo, em nossos sentimentos, nas nossas percepções e em torno de nós.

“Com a atenção plena, não temos mais medo da dor. Podemos até ir mais longe e fazer bom uso do sofrimento para gerar a energia de compreensão e compaixão que nos cura e podemos ajudar os outros a curar e ser feliz também.”

Com atenção plena, pode reconhecer a presença do sofrimento em si e no mundo. E é com a mesma energia que abraça ternamente o sofrimento. Ao estar ciente da sua inspiração e expiração, gera a energia da atenção plena, para que possa continuar a suportar o sofrimento. Os praticantes da atenção plena podem ajudar-se mutuamente a reconhecer, abraçar e transformar o sofrimento. Com a atenção plena, não temos mais medo da dor. Podemos até ir mais longe e fazer bom uso do sofrimento para gerar a energia de compreensão e compaixão que nos cura e podemos ajudar os outros a curar e ser feliz também.

Gerando Mindfulness

A maneira como começamos a produzir a medicina da atenção plena é parar e tomar uma respiração consciente, dando a nossa completa atenção à nossa inspiração e à nossa expiração. Quando paramos e tomamos fôlego desta maneira, unimos corpo e mente e voltamos para casa para nós mesmos. Sentimos os nossos corpos mais plenamente. Estamos verdadeiramente vivos somente quando a mente está com o corpo. A grande notícia é que a unicidade do corpo e da mente pode ser realizada apenas por uma inspiração. Talvez não tenhamos sido gentis o suficiente para o nosso corpo por algum tempo. Reconhecendo a tensão, a dor, o stress no nosso corpo, podemos banhá-lo na nossa consciência consciente, e esse é o início da cura.

Porque que é que o Buda continuou a meditar?

Quando eu era um jovem monge, eu perguntava-me por que é que  Buda continuava praticando a atenção plena e a meditação mesmo depois que ele já se tornara um Buda. Agora eu acho que a resposta é bastante clara para ver. A felicidade é impermanente, como tudo o resto. Para que a felicidade seja estendida e renovada, tem que aprender a alimentar a sua felicidade. Nada pode sobreviver sem comida, incluindo felicidade; a sua felicidade pode morrer se não souber como alimentá-la. Se cortar uma flor, mas vnão colocá-lo em alguma água, a flor vai murchar em poucas horas.

“Podemos condicionar os nossos corpos e mentes à felicidade com as cinco práticas de deixar ir, convidando sementes positivas, atenção plena, concentração e percepção.”

Mesmo que a felicidade já esteja manifestando-se, temos de continuar a alimentá-la. Isso às vezes é chamado de condicionamento, e é muito importante. Podemos condicionar os nossos corpos e as mentes à felicidade com as cinco práticas de deixar ir, convidando sementes positivas, atenção plena, concentração e percepção.

1. DEIXANDO IR

O primeiro método de criar alegria e felicidade é abandonar, deixar para trás. Há uma espécie de alegria que vem do deixar ir. Muitos de nós estão ligados a tantas coisas. Acreditamos que essas coisas são necessárias para a nossa sobrevivência, a nossa segurança e a nossa felicidade. Mas muitas dessas coisas – ou mais precisamente, as nossas crenças sobre a sua necessidade absoluta – são realmente obstáculos para a nossa alegria e felicidade. 

Às vezes acha que ter uma certa carreira, diploma, salário, casa ou parceiro é crucial para a sua felicidade. Acha que não pode continuar sem ela. Mesmo quando atingiu essa situação, ou está com essa pessoa, continua a sofrer. Ao mesmo tempo, ainda tem medo de que, se deixar ir o prémio que atingiu, será ainda pior; será ainda mais miserável sem o objecto que se está apegando. Não pode viver com isso, e não pode viver sem ele. Se vier a olhar profundamente no seu apego terrível, vai perceber que ele é de facto o obstáculo para a sua alegria e felicidade. Possui a capacidade de deixá-lo ir. Deixar ir precisa de muita coragem às vezes. Mas uma vez que deixar ir, a felicidade vem muito rapidamente. 

Não terá que ir em redor procurando por ele. Imagine que é um habitante da cidade tendo uma viagem de fim de semana para o campo. Se mora numa grande metrópole, há muito barulho, poeira, poluição e odores, mas também muitas oportunidades e emoção. Um dia, um amigo convence-o a fugir por alguns dias. No começo pode dizer: “Eu não posso. Eu tenho muito trabalho. Talvez eu perca uma chamada importante. Mas finalmente ele convence a sair, e uma hora ou duas mais tarde, encontra-se no campo. Vê o espaço aberto. Vê o céu, sente a brisa nas suas bochechas. A felicidade nasce do facto de que poderia deixar a cidade para trás. Senão tivesse partido, como poderia experimentar este tipo de alegria? Precisava de deixar ir.

2. CONVIDADO AS  SEMENTES POSITIVAS

Cada um de nós tem muitos tipos de “sementes” que se encontram profundamente e nossa consciência. Aqueles que água são os que brotam, vêm na nossa consciência, e manifestar-se externamente. Assim, na nossa própria consciência há o inferno, e há também o paraíso. Somos capazes de ter compaixão, sermos compreensivos e alegres. 

Se prestarmos atenção apenas às coisas negativas em nós, especialmente ao sofrimento de dores passadas, estamos chafurdando nas nossas dores e não recebendo qualquer alimento positivo. Podemos praticar a atenção adequada, regando as qualidades saudáveis em nós, tocando as coisas positivas que estão sempre disponíveis dentro e em torno de nós. Isso é bom alimento para a nossa mente. Uma maneira de cuidar do nosso sofrimento é convidar uma semente da natureza oposta a surgir. Como  se nada existe sem o seu oposto, se tem uma semente de arrogância, também tem uma semente de compaixão. Cada um de nós tem uma semente de compaixão. 

Se praticar a atenção plena de compaixão todos os dias, a semente de compaixão se tornará forte.  Precisa apenas concentrar-se nele e ele virá para cima como uma poderosa zona de energia. Naturalmente, quando a compaixão surge, a arrogância desce. Não tem que lutar ou empurrá-lo para baixo. Podemos selectivamente regar as sementes boas e abster-se de regar as sementes negativas. Isso não significa que ignoremos o nosso sofrimento; Apenas significa que nós permitimos que as sementes positivas que estão naturalmente lá para obter atenção e nutrição.

3. Alegria

A atenção plena ajuda-nos não só a entrar em contacto com o sofrimento, para que possamos abraçá-lo e transformá-lo, mas também tocar as maravilhas da vida, incluindo o nosso próprio corpo. Então respirar torna-se uma delícia, e expirar também pode ser uma delícia. Realmente vem para desfrutar da sua respiração. Há alguns anos, eu tinha um vírus nos pulmões que os faziam sangrar. Eu estava cuspindo sangue. Com pulmões como aquele, era difícil respirar, e era difícil ser feliz enquanto respirava. Após o tratamento, os meus pulmões curaram e a minha respiração tornou-se muito melhor. Agora, quando eu respiro, tudo que eu preciso fazer é lembrar o tempo quando os meus pulmões foram infectados com este vírus. Em seguida, cada respiração que eu tomar torna-se realmente delicioso, muito bom. 

Quando praticamos a respiração consciente ou a caminhada consciente, trazemos a nossa mente para casa para o nosso corpo e estamos estabelecidos no aqui e no agora. Nós sentimo-nos tão sortudos; Temos tantas condições de felicidade que já estão disponíveis. Alegria e felicidade vêm imediatamente. Portanto, a atenção plena é uma fonte de alegria. Mindfulness é uma fonte de felicidade. Mindfulness é uma energia que podes gerar durante todo o dia através da sua prática. Pode lavar os seus pratos em mindfulness. pode cozinhar o seu jantar em mindfulness. Pode esfregar o chão em mindfulness. E com atenção pode tocar as muitas condições de felicidade e alegria que já estão disponíveis. É um verdadeiro artista. Sabe como criar alegria e felicidade sempre que quiser. Esta é a alegria e a felicidade nascidas da atenção plena.

4. CONCENTRAÇÃO

A concentração nasce da atenção plena. A concentração tem o poder de romper, de queimar as aflições que o fazem sofrer e de permitir que a alegria e a felicidade entrem. Permanecer no momento actual exige concentração. Preocupações e ansiedade sobre o futuro estão sempre lá, pronto para nos levar embora. Podemos vê-los, reconhecê-los e usar a nossa concentração para retornar ao momento presente. Quando temos concentração, temos muita energia. Não nos deixamos levar por visões de sofrimentos passados ou medos sobre o futuro. Moramos estavelmente no momento presente para que possamos entrar em contacto com as maravilhas da vida e gerar alegria e felicidade. Concentração é sempre concentração em algo. Se concentrar-se na sua respiração de uma forma relaxada, já está cultivando uma força interior. Quando volta para sentir a sua respiração, concentre-se ns sua respiração com todo o seu coração e mente. A concentração não é trabalho duro. Não tem que esticar-se ou fazer um esforço enorme. A felicidade surge de forma leve e fácil.

5. INTROSPECÇÃO

Com a atenção plena, reconhecemos a tensão no nosso corpo, e queremos muito libertá-la, mas às vezes não podemos. O que precisamos é de alguma percepção. Introspecção é ver o que está lá. É a clareza que pode libertar-nos de aflições como ciúme ou raiva, e permitir que a verdadeira felicidade venha. Cada um de nós tem a percepção, embora nem sempre façamos uso dela para aumentar a nossa felicidade.

“A essência da nossa prática pode ser descrita como transformar o sofrimento em felicidade. Não é uma prática complicada, mas exige que cultivemos a atenção plena, a concentração e a percepção.”

Podemos saber, por exemplo, que algo (um desejo ou rancor) é um obstáculo para a nossa felicidade, que nos traz ansiedade e medo. Sabemos que essa coisa não vale o sono que estamos perdendo. Mas ainda assim nós continuamos gastando o nosso tempo e energia obcecados com isso. Nós somos como um peixe que foi apanhado uma vez antes e sabe que há um gancho dentro da isca; Se o peixe faz uso dessa visão, ele não vai morder, porque ele sabe que vai ser apanhado pelo gancho. Muitas vezes, nós apenas mordemos o nosso desejo ou rancor, e deixe o gancho nos levar. Ficamos apanhados e presos a essas situações que não são dignas da nossa preocupação. Se a atenção plena e a concentração estiverem lá, então a percepção estará lá e nós podemos fazer uso dela para nadar, livremente.

Na primavera, quando há muito pólen no ar, alguns de nós têm dificuldade em respirar devido a alergias. Mesmo quando não estamos tentando correr cinco quilómetros e só queremos sentar ou deitar, não podemos respirar muito bem. Assim, no inverno, quando não há pólen, em vez de reclamar do frio, podemos recordar de como em abril ou maio não conseguimos sair. Agora os nossos pulmões são claros, podemos dar um passeio rápido para fora e podemos respirar muito bem. Nós conscientemente chamamos a nossa experiência do passado para ajudar-nos a estimar as coisas boas que estamos tendo agora. No passado, provavelmente, sofremos de uma coisa ou outra. Pode até ter sentido como uma espécie de inferno. Se nos lembrarmos de que o sofrimento, não nos deixando levar por ele, podemos usá-lo para nos lembrar: “Que sorte eu tenho agora. Eu não estou nessa situação. Eu posso ser feliz “- isso é introspecção; E nesse momento, a nossa alegria e a nossa felicidade podem crescer muito rapidamente.

A essência da nossa prática pode ser descrita como transformar o sofrimento em felicidade. Não é uma prática complicada, mas exige que cultivemos a atenção plena, a concentração e a percepção. Exige, antes de tudo, que voltemos para nós mesmos, que façamos a paz com o nosso sofrimento, tratando-a com ternura e examinando profundamente as raízes da nossa dor. Exige que deixemos de ir em sofrimentos inúteis e desnecessários e que demos uma olhada na nossa ideia de felicidade. Finalmente, exige que nutramos a felicidade diariamente, com reconhecimento, compreensão e compaixão por nós mesmos e por aqueles que nos rodeiam. Oferecemos essas práticas a nós mesmos, aos nossos entes queridos e à comunidade em geral. Esta é a arte do sofrimento e a arte da felicidade. Com cada respiração, aliviamos o sofrimento e geramos alegria. Com cada passo, a flor da introspecção floresce.

Do livro: :No Mud, No Lotus: The Art of Transforming Suffering”, por Thich Nhat Hanh. © 2014 da United Buddhist Church. Publicação propriedade da Parallax Press. www.parallax.org.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...